As coisas em minha vida andavam bem,  tinha um bom casamento,  meu marido me supria com tudo o que eu precisava,  meus filhos eram jovens responsáveis,  não tinha do que me queixar.
Minha rotina era agradável.  As segundas, quartas e sextas,  academia,  terças e quintas aula de inglês e assim tocava a minha vida sem grandes sobressaltos.
Mas um dia tudo começou a mudar.
Foi numa quarta feira. Eu estava na academia e o Jerson,  o professor,  insistia para que eu buscasse ampliar algumas flexões.  Eu confesso que tinha preguiça,  mas de tanto insistir,  eis-me esforçando-me para atendê-lo.
Foi num desses momentos que meu olhar cruzou o olhar de um rapaz que também treinava perto de mim.  Você já passou por uma situação em que de repente você olha para uma pessoa que te chama à atenção e depois,  mesmo sem querer,  toda hora acaba olhando para ele de novo?  Então foi assim e é claro,  meus olhares funcionaram como um “venha me conhecer”  e ele veio.  Sorrindo, cumprimentou-me e disse; o Jerson está sendo muito mau com voce… Rimos..  Percebi que seu sorriso era bonito,  assim como a forma de falar, também era diferente, agradável.
Seu nome era Celso.  Era professor de línguas,  casado,  tinha dois filhos e residia perto dali.
Nossa amizade,  ainda que restrita as quartas feiras e durante os treinos,  foi se intensificando. Eu sentia necessidade de trocar ideias com o Celso ele era muito inteligente e perspicaz e o que mais me agradava;  nunca avançou o sinal.
E assim acabamos um dia combinando conhecer a escola onde lecionava que por sinal,  era o proprietário.
Meu marido sempre estava a par do que acontecia,  sua segurança comigo não criava nenhuma restrição as minhas atividades.
Só tinha um problema;  comecei a perceber que meu interesse pelo Celso estava aumentando,  eu sentia necessidade de conversar com ele,  de ouvi-lo,  e de sentir o perfume discreto que sempre usava.  Mas me tranquilizava,  afinal,  ele era um cavalheiro e eu não podia me queixar da vida que meu marido me proporcionava.
E numa quinta feira lá fui eu conhecer a escola do Celso.  Estava impressionada.  Um elegante prédio num tradicional bairro de São Paulo. Celso cortesmente me pega pelo braço e me conduz a conhecer as instalações.  Num dado momento,  no afã de mostrar uma determinada sala,  senti que ele encostou-se em mim,  arrepiei-me instantaneamente,  e tenho certeza de que ele percebeu isso…  Fiquei aborrecida comigo mesma,  estava começando a me deixar levar por pensamentos que certamente nos levariam a uma situação indesejada.
E durante as apresentações,  algumas outras vezes,  Celso se aproveitando da situação,  enconchava-me discretamente..
Que mulher pode resistir a um homem bonito, elegante,  carismático, perfumado e envolvente??  Eu começava a temer pelo que me aguardava.
Terminada a visita,  Celso me convidou para almoçar.  Mas seria em seu apartamento.  Disse não,  ficaria chato,  mas ele acabou me convencendo garantindo que apenas almoçaríamos.  E lá fui eu.  Outra qualidade;  ele cozinhava divinamente.  Almoçamos e depois Celso levantando-se da mesa,  colocou uma musica lenta e me convidou para dançar.  Meu instinto de mulher casada dizia não, não não,  não vá!!!  Mas meu instinto de femea dizia,  porque não?  E cedendo ao meu desejo animal,  me vejo abraçada,  apertada naqueles braços viris, sua boca em meu pescoço,  roçavam-no levemente,  suas mãos,  uma em minhas costas e outra na cintura,  me apertavam contra si e eu podia sentir um pinto duríssimo a tocar a minha vagina… foi demais pra mim…  quando dei por mim estava deitada,  sem blusa,  sendo beijada nos seios,  suas mãos hábeis, tirando minha saia,  a calcinha juntos,  e ele elogiando beijando, lambendo,  até chegar na minha buceta…  ai foi o fim…  acho que desmaiei tão forte foi o meu orgasmo,  orgasmo que só tive em minha lua de mel !!!!  Celso era um homem dominante.. sabia comandar,  me preparou para o grande momento e quando percebi,  um pinto duro enorme,  grosso,  começou a me invadir.. senti-me tal como quando meu marido me descabaçou!!!  O pinto do Celso era enorme,  colou nas paredes da minha buceta e deslizava ritmicamente para frente e para traz me deixando loucamente extasiada… havia momentos que ele,  com o pinto totalmente enterrado em minha buceta,  parava e me deixava senti-lo com toda a sua enormidade…  minha buceta comprimia seu pinto,  era uma resposta nervosa automática àquele intruso que ocupava todo a minha buceta e tocava meu útero.
E ai eu o senti gozar…. que delicioso… acho que ele descarregou meio litro de porra dentro de mim mas não tirou,  ficou assim paradinho dentro de mim eu com as pernas enlaçando suas costas e rapidamente senti que seu pinto reanimava-se novamente…
Passei horas na cama com esse homem.  No finalzinho,  deitados de lado,  ele me virou delicadamente,  levantou minha perna e foi enfiando esse maravilho pinto em meu cuzinho..  apesar de experiente,  eu e meu marido fazíamos anal normalmente,  receber aquele enorme pinto levou-me a sentir muita dor,  mas,  delicadamente,  locando meu clitóris,  meu cu foi se adaptando e novamente cheguei ao orgasmo.
Olha,  não sei quantas vezes gozei,  quantas vezes cheguei ao orgasmo,  mas foi bom,  muito bom.  Só tinha um problema;  como ficaria minha vida a partir daquele momento?
Tomamos banhos juntos,  ele me fudeu uma vez mais,  nos trocamos,  peguei meu carro e fui embora,  ardida, dolorida, mas extremamente relaxada.
No caminho pensava que uma outra mulher estava voltando para casa.
Mas não sabia o que poderia acontecer.

Vício em pornografia? Saiba como parar!
eBook - Como Provocar Orgasmos Femininos?
A Máquina De Vendas Online