Quando eu fiz 20 anos as coisas começaram a acontecer na minha vida muito rapidamente. Fiz um concurso e passei a trabalhar num Banco Estatal. Antes dos 23 anos me casei com a menina mais linda da minha pequena cidade. Ela tinha somente 18 aninhos e virgem. Vou chamá-la de Lidiane. Aos 25 anos recebi uma proposta de ser transferido para outra cidade como auxiliar da Gerência com um aumento de salário razoável. Esta nova cidade ficava a mais de 300 km da minha e sua maior economia girava em torno da agropecuária. Fui orientado a procurar o Sr. Ronaldo que era o criador e dirigente da Cooperativa de Leite daquela cidade e tinha muita influência. Ronaldo era um homem com seus 40 anos; +- 1,90 m, magro falso, muito simpático, bonitão e prestativo. Quando ele soube que eu era casado e estava procurando uma casa boa e barata pra alugar, me ofereceu a casa que ele tinha construído pra sua filha única, que nunca chegou a ocupá-la, por ter casado com um filho de fazendeiro e indo morar em São Paulo. A casa ficava dentro de um pequeno sitio, a uns 15 minutos do centro da cidade, ao lado da sua própria casa. Ficamos muito amigos e Lidiane e Júlia, esposa de Ronaldo, também ficaram muito amigas. Tornamos tão íntimos que frequentávamos a casa um do outro diariamente. Eu e Lidiane vivíamos felizes, tínhamos bons amigos e uma vida sexual satisfatória. Satisfatória porque mantínhamos o sexo dentro dos padrões de marido e mulher, isto é; na base do papai-e-mamãe. Eu que já tinha visto vários filmes pornôs tinha vontade de variar um pouco, mas o medo de magoar Lidiane me impedia de até tentar.


A vida transcorria normalmente até que numa noite bastante chuvosa, aconteceu um acidente com o carro do Ronaldo que acabou vitimando fatalmente dona Júlia, sua esposa. Fato que nos abalou demais e também a maioria dos moradores da cidade. Ronaldo passou a ser uma pessoa totalmente diferente do que era: triste, calado, trabalho e casa viraram sua rotina. Lidiane passou a cuidar da casa do Ronaldo para mantê-la limpa e fiz questão de que ele se alimentasse na minha casa: café da manhã, almoço e lanche à noite. Só que Ronaldo passou, principalmente nos finais de semana, a beber muito, chegando às vezes a perder toda a noção de compostura. Após uns nove meses daquela fatalidade, um sábado à noite que chovia muito forte, vi quando Ronaldo saiu na sua varanda sem camisa e com um short de pijama aparentando estar totalmente bêbado. Quando olhei novamente vi Ronaldo caído dentro de uma poça de água e tentando se levantar. Corri para ajudá-lo, mas como ele era muito pesado, não consegui erguê-lo e chamei Lidiane para me ajudar. Ela saiu naquela chuva vestindo apenas uma camisola na tentativa de me ajudar. Levamos uns 10 minutos pra conseguir arrastar Ronaldo até dentro da sala de sua casa. Eu, Lidiane e Ronaldo parecíamos três pintinhos, molhados da cabeça aos pés. Resolvemos tirar o short de Ronaldo, já que ele estava tão bêbado que nem estava aí pelo que acontecia. Mas ao tirar o short tanto eu quanto Lidiane ficamos assustados com o tamanho da pica de Ronaldo, mole dava a impressão de ter quase uns 15 cm. Percebi que Lidiane ficou um pouco sem graça, mas não tirava os olhos de sua pica. Comecei a ficar levemente excitado vendo minha esposa daquele jeito. Percebi que Lidiane também estava excitada e não tirava os olhos do meio das pernas de Ronaldo. Levamos Ronaldo pro quarto com ele apoiado com um braço no meu ombro e com o outro sobre o ombro de Lidiane. Percebi quando Lidiane segurou a mão de Ronaldo fazendo com que ela roçasse no seu peitinho esquerdo. Secamos com a toalha o corpo de Ronaldo e o colocamos deitado na sua cama com as duas pernas ainda no chão. Lidiane pegou a toalha e continuou a secá-lo começando pelos cabelos. A minha excitação era tanta que minha piroca já estava quase apontando pro teto. Vendo o traseiro de Lidiane que estava debruçada sobre Ronaldo, não resisti, segurei suas ancas e soquei o dedo na sua bucetinha que estava bem molhadinha de tesão: - Que isso Valter? Como você tem coragem de fazer isso aqui? hummm! Mas continua meu bem! Continua! Vai. Está muito gostoso. Hummmm! Enquanto eu socava o dedo, Lidiane segurava na pica de Ronaldo secando-a bem lentamente e praticamente gritando (coisa que não era normal): - Isso! ... Mete esse dedo na minha buceta. Mete mais forte! Mais! Mais!uuuiiiiiiii! Já vou gozar. Já! Já! Já. Vouuuuuuu go-go-goooooozarrrrrrr! Quando senti a buceta de Lidiane se contraindo em gozo, quase gozei na cueca junto com ela. Ajeitamos Ronaldo na cama e colocamos apenas um lençol sobre ele e fomos para nossa casa.


No dia seguinte quando Ronaldo chegou à minha casa para o café da manhã, deu a impressão que ele, vagamente, sabia que tinha acontecido alguma coisa diferente na noite anterior, pois me perguntou se eu tinha estado na sua casa. Eu, ele e Lidiane, já sentados na mesa, contamos pra Ronaldo do seu tombo no quintal e do banho que eu e Lidiane tivemos que dar-lhe. Ronaldo lembrando que tinha acordado pelado, perguntou: - Mas vocês me deram banho nú? A Lidiane me viu pelado? Lidiane rapidamente respondeu: - Vi sim! E o que tem de mau nisso? Você é nosso amigo e se for preciso faço novamente, não é meu bem? Eu disse que sem problema nenhum, que ele era uma pessoa muito especial pra nós dois e que faríamos qualquer coisa pra ajudá-lo a superar aquela fase difícil da vida dele. Ronaldo se emocionou quase chegando às lágrimas, dizendo que estava muito envergonhado, mas que seria eternamente grato a nos dois.


A partir desse dia, Lidiane passou a não mais se preocupar com a roupa que estava vestindo, inclusive estava mais ousada. Começou com shortinhos bem curtos que deixava aparecendo a ponta de suas belas nádegas, blusinhas decotadas que em determinados movimentos deixava aparecer até o bico dos seus peitinhos ou de camisola quase transparente sem estar com nada por baixo. Ronaldo no início disfarçava como se nada estivesse percebendo, mas às vezes não resistia e fixava os olhos no seu corpinho escultural. Eu e Lidiane percebíamos que Ronaldo ficava um tanto excitado (o volume da sua calça o denunciava). Não sei por que, mas não conseguia sentir ciúmes da minha esposa com Ronaldo, ficava somente tentando adivinhar o que se passava na cabecinha de Lidiane.


Um dia deitados na cama, Lidiane tocou no assunto da viuvez de Ronaldo, dizendo que tinha pena dele estar ainda tão sozinho, e completando disse: - Valter, fico imaginando o tamanho da pica do Ronaldo quando ele está excitado.  Eu tentei imaginar e acabei ficando de pau duro. Subi em cima de Lidiane e levantei sua camisola posicionando minha vara na sua buceta que já estava úmida. Excitadíssimo, fui lhe penetrando e lhe perguntando: - Lidiane! Você tem vontade de ver Ronaldo pelado e excitado, não é? Ela: - Hum! hummmm! mete! Mete! Gostoso na sua mulherzinha! Mete! Me fode toda! Não fique com raiva, mas tenho sim! Deve ser lindo demais aquele cacetão duro. Enfia! Enfia mais! Mete! Mete gostoso na sua mulher! Mete! Dando socadas violentas na xoxota dela, perguntei: - Você quer que eu vire um corno, é? Ela: - Mete mais forte! Ui! ui! ui! Não meu bem, é só curiosidade mesmo! Ela começou a gemer num orgasmo prolongado e eu continuei a bombar e falei: - Eu te amo demais querida, e por você sou capaz de tudo pra te ver feliz, até ser um corno se você quiser. Acabei de falar e gozamos juntos.


Aquilo ficou martelando na minha cabeça e num sábado fiquei na casa de Ronaldo conversando com ele. Ronaldo abriu uma garrafa de vodka e começou a beber. Depois de um tempo começou a ficar eufórico e a falar o que lhe vinha na cabeça. Disse que eu tinha uma mulher maravilhosa e muito bonita e que a achava gostosa demais, que ela peladinha devia ser uma loucura, que eu era um cara de sorte de poder fazer sexo com ela e que ele só podia se contentar em se masturbar pensando nela, etc. Depois de muitos bla, bla, blas sobre as qualidades de Lidiane e já cambaleando um pouco, pedi pra que ele parasse de beber e fosse tomar um banho pra dormir. Ronaldo então disparou, com uma fala de bêbado: - Só paro de beber e vou tomar meu banho se a Lidiane me pedir.  Percebi que Ronaldo estava fingindo de bêbado pra gente dar banho nele novamente. Excitadíssimo com a ideia, fui até nossa casa e chamei Lidiane, que já estava vestida pra dormir com sua camisola e como de costume sem nada por baixo, e disse a ela que Ronaldo estava completamente bêbado novamente e que só iria tomar banho e dormir se você fosse lá para pedir a ele. Ela topou e fomos nós dois para a casa dele. Quando minha esposa pediu para ele ir se banhar e dormir, Ronaldo falou que só iria se ela desse um banho nele novamente. Lidiane me olhou e eu balancei a cabeça consentindo. Ele caminhou com ela pro banheiro e eu os segui numa certa distância. Já dentro do banheiro Lidiane tirou a camisa de Ronaldo, desabotoou e baixou suas calças, deixou-o só de cueca. Parado na porta vi quando minha esposa arriou a cueca de Ronaldo e sua pica deu um pulo quase batendo no rostinho de Lidiane, já dura. Ela abriu o chuveiro e foi lavando Ronaldo que somente sorria satisfeito com sua tora duríssima que chegava ao tamanho absurdo de uns 20 cm e muito grossa e cabeçuda. Lidiane sempre olhando em minha direção começou a esfregar a pica de Ronaldo que começou a gemer de prazer: - Isso minha gostooooosa! Olha pra essa piroca que é doida pra te comer. Lidiane nesse momento olhou pra mim e vendo que eu estava com a pica pra fora e me masturbando, agachou e abocanhou a cabeçona da piroca de Ronaldo e foi engolindo até onde coube na sua boquinha e começou um alucinado boquete. Ronaldo só gemia a resmungava que queria comer sua bucetinha. Lidiane tirou sua camisola já toda molhada e abraçou Ronaldo, esfregando seu corpo no dele, dizendo: - Ah Ronaldo! O Valter tá doidinho pra ver você enfiando essa sua pistola na minha bucetinha mesmo. Sei que ele quer ser corno né meu bem? Vamos pro quarto meu garanhão, vamos. Ele caminhou firme puxando Lidiane e sem se importar com a minha presença, colocou-a deitada na cama e subiu em cima de Lidiane. Não dá para descrever o tesão que sentia vendo aquele homem grandão em cima de minha esposa, meu corpo tremia todo e meu coração estava acelerado e Lidiane, me olhando, gemia de prazer. Como um animal, Ronaldo chupou os peitos da minha mulherzinha com força, beijou-a, lambeu todo seu corpo até chegar à sua xoxota, deu umas chupadas em sua bucetinha, fazendo Lidiane implorar pra ele meter nela. Ronaldo a fez ficar de quatro dando tapinhas nas suas nádegas transformando-a numa verdadeira putinha. Quando Ronaldo, numa socada firme enterrou a metade da pica na xoxota de Lidiane, ela esticou o pescoço e começou a uivar como uma cadela: - Uuuuuiiiiiiiiiii! Valter! Valter! Valter, Ronaldo tá me metendo. Aiiii, uiiii, Valter! Olha meu bem! Ajuda-me vai Valter! Ajuda-me a dar pra ele! Vem cá meu corninho! Vem que eu quero chupar sua pica. Enquanto eu tirava a roupa, já muito excitado, ela continuava: - Vai Ronaldo! Mete! Mete tuuuuuudo! Arregaça minha buceta vai. Hum! hum! hum! Goza! Goza dentro de mim meu garanhão. Ajoelhei sobre a cama e Lidiane engoliu com vontade a minha pica, chupando-a como uma profissional. Cada socada forte que Ronaldo dava, empurrava a boca de Lidiane pra frente fazendo minha piroca chegar quase na sua garganta. Quando Ronaldo parou com sua vara enterrada até o saco em Lidiane gritando que ia gozar, o corpo de Lidiane teve uma convulsão indicando que ela estava tendo um orgasmo. Segurei a sua cabeça pra ela não soltar minha piroca e gozei enchendo sua boca de porra que Lidiane, sem opção teve que engolir. Ela engoliu lambendo os lábios dizendo que era a mulher mais feliz e realizada do mundo. Antes de voltarmos pra casa, na despedida, Lidiane deu um abraço em Ronaldo e um beijo em sua boca agradecendo-o por aquela noite. Em casa nós continuamos excitadíssimos e resolvemos fazer todas as sacanagens que sempre tivemos vontade. Chupei bastante a buceta de Lidiane, que àquela altura estava inchada e vermelha e com gosto de porra do Ronaldo, deixando Lidiane novamente com muito tesão, depois a coloquei de quatro e enfiei a piroca no seu cuzinho ainda virgem. Lidiane adorou me sentir gozando dentro do seu cú.


No dia seguinte Ronaldo apareceu em nossa casa pra tomar o café da manhã como se nada tivesse acontecido. Lidiane vestia um baby-doll transparente que a deixava praticamente nua. Deixei os dois na cozinha e fui me trocar. Do quarto ouvi Lidiane gemendo alto e me dirigi até a cozinha. Lidiane estava sem a parte de baixo do baby-doll, debruçada sobre a mesa e Ronaldo enterrava sua pica no cuzinho de Lidiane que eu tinha acabado de deflorar na noite anterior. Ela urrava de dor e de prazer enquanto Ronaldo, como um alucinado, socava tudo, até seu saco bater na xoxota dela. Ronaldo gozou tanto que chegou a vazar e escorrer pelas coxas de Lidiane. Ronaldo em seguida saiu sem falar nada e eu pulei em cima de Lidiane, louco de tesão e a penetrei na bucetinha e ela, aos gritos disse: Pega a porra do Ronaldo na minha bunda e põe na minha boca. Obedeci e ela continuou a falar: Olha amor estou engolindo a porra do Ronaldo, ai que delícia, mete meu corninho, mete gostoso nessa sua esposa que agora é mulher do Ronaldo também, mete, mete forte, vou gozar, Aiiii, uiiii, como é bom ter um marido corninho, Uuuuuiiiiiiiiiii! Vou gozzzzaaaaarrrrrr. Gozamos juntos e inundei sua buceta de porra e Lidiane ficou toda esporrada de nós dois.


Valter só retornou no final da tarde trazendo algumas garrafas de vinho, dizendo que era pra comemorar por nós termos lhe dado o prazer de viver novamente. Ficamos bebendo, ouvindo música e conversando sobre as nossas liberalidades e sacanagens. Confessei pra Ronaldo que não me importava de ser corno sendo ele a transar com Lidiane. Lidiane depois de uns copinhos de vinho, já ficou toda alegrinha e assanhada com nossa conversa, sentada entre eu e Ronaldo no sofá, beijava minha boca e depois beijava a de Ronaldo. Pediu pra gente colocar os pintos pra fora e os agarrou movimentando-os ao mesmo tempo. Depois ficou diante do sofá fazendo um strip-tease, rebolando e de vez em quando dando uma mamada numa das pirocas. Como era lindo ver minha esposa, de apenas 21 anos, com aquele corpinho de menina, naquela felicidade toda por ter dois machos à sua disposição. Um jovem e apaixonado e outro maduro, experiente e pauzudo.  Ela pediu, e também ficamos nus. Lidiane se posicionou ajoelhando sobre o sofá de costas pra Ronaldo e foi agachando até ter aquela tora encostada na sua buceta. Lidiane me pediu pra ficar ajoelhado diante deles e foi arriando o corpo bem lentamente para que eu pudesse ver a sua xoxota engolindo centímetro por centímetro daquele cacetão, até sua bunda sentar no saco de Ronaldo. Ela delirava de prazer: - Ohhhhhhhhhh que delíiiiiiicia de piroca! Vem meu bem, agora chupa a minha bucetinha, chupa? Estranhei o pedido, mas fiz o que minha querida esposa pediu… Ajoelhado comecei a passar a língua nos lábios que sobrava da sua buceta que passou a soltar um líquido viçoso que escorria até o saco de Ronaldo. Lidiane começou a subir e a descer naquela vara, sempre pedindo: - Chupa! Chupa meu corninho. Chupa que eu quero gozar na piroca do Ronaldo e também na sua boca. Mas quando ela subia parte da pica de Ronaldo ficava exposta e eu como um alucinado ia bebendo aquele liquido que continuava a escorrer já passando a língua até no membro dele, evitando chegar ao seu saco. Lidiane vendo aquilo berrou tendo um orgasmo e pedia pra não parar de chupar até que Ronaldo também gozasse. Ela continuava a cavalgar Ronaldo sempre gritando, chupa, chupa, chupa a porra de Ronaldo que, a essa altura tinha inundado ela e escorria de sua bucetinha e eu lambia tudo até Lidiane ter um novo orgasmo.


Atualmente Lidiane às vezes dorme com Ronaldo e tem dias que ela dorme comigo, ou simplesmente pedi uma suruba a três. Ela agora tem dois maridos e eu sou um corno feliz.


segredonosso@terra.com.br

Vício em pornografia? Saiba como parar!
eBook - Como Provocar Orgasmos Femininos?
A Máquina De Vendas Online